domingo, 10 de abril de 2011

A COBRA SOFIA




RETIRADO; A CULTURA AMAZÔNICA, EM ESPECIAL A DO AMAPÁ E
A IMPORTÂNCIA DO MARABAIXO PARA O FOLCLORE LOCAL
AUTOR: CLAUDIONOR DOS SANTOS

Diz a lenda que há muito tempo atrás vivia em uma aldeia na ilha de Santana, uma linda índia que se chamava “ICORÔ. A beleza da índia era tão grande, que todos da tribo a invejavam e se sentiam enciumados, pois era muito cortejada, transformando sua felicidade em uma prisão, seu destino estava traçado pelo Deus Tupã. Icorã quase não saía de oca e a poucas vezes que saía era à noite, quando ia à beira de um lindo e grande lago, conversar com a lua sobre o seu sofrimento. Um dia ICORà saiu para se banhar no lago e foi avistada pelo Boto TUCUXI, que ficou loucamente apaixonado por ela, transformou-se em um belo homem e foi até à moça, que também gostou dele, rendeu-se ao seu encantamento e deixou possuí-la. Em poucos meses ICORà sentiu que estava grávida e descobriu que o filho era de um boto. ICORÃ, com vergonha de sua tribo, embrenhou-se na mata até nascer à criança.
Quando a criança nasceu deu-lhe o nome de SOFIA e atirou-a no lago para que morresse afogada e nem se tornasse suspeita de que tinha tido uma criança. Depois retornou à aldeia, mas o boto viu a índia jogando a criança no lago, ele pegou e a transformou em cobra d’água para evitar sua morte. Depois de muito tempo ICORÃ encontrava-se à beira do grande lago e viu uma cobra grande, com um olhar estranho aproximando-se dela, mas ICORÃ saiu assustada com medo da cobra. Na noite seguinte o boto TUCUXI, revelou em sonho o segredo. No outro dia, ICORÃ foi até o lago e a imensa cobra, de longe rebujava e foi embora para o rio. ICORÂ chorou muito, mas sabia que o destino predestinava e a cobra foi morar na ilha de Santana. Contam que o Rio Matapi e o Igarapé da Fortaleza foram formados pelo seu trajeto.
Diz o senhor Domingos, morador antigo da ilha de Santana, que deram um tiro na cobra Sofia e que ela ficou cega de um lado. Contam também que se alguém tentar matá-la, a ilha de Santana vai toda para o fundo, pois é a cobra que sustenta a ilha.

6 comentários:

eduardo da silva disse...

gostei da lenda, e espero que não seja verdade......!!!!!!

Anderson Silva disse...

Apesar de esse ser o único comentário, achei muito engraçado kkklkk

Movimento Cênico Artheatrum disse...

Boa noite! Sou Santiago Junior, professor de teatro. Meus alunos escolheram falar sobre esta lenda. Gostaria de coletar mais informações. Seu Domingos ainda está vivo??? Como faço para contactá-lo??? Obrigado.

Movimento Cênico Artheatrum disse...

Boa noite! Sou Santiago Junior, professor de teatro. Meus alunos escolheram falar sobre esta lenda. Gostaria de coletar mais informações. Seu Domingos ainda está vivo??? Como faço para contactá-lo??? Obrigado.

thaissa moraes disse...

olá tambem estou interessada em conhecer o Sr domingos. estou escrevendo um artigo sobre esse mito e assim gostaria de colher dados. obrigada desde ja.

Diane Marcia disse...

Adoro as lendas do Amapá! Me fazem imaginar e fantaziar !